Minha lista de blogs

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Faltam 55 dias para o “abismo fiscal” nos Estados Unidos



O chamado “abismo fiscal” subentende uma alteração súbita da política financeira do Estado. Este fenómeno pode acontecer nos Estados Unidos em 1 de janeiro de 2013, quando termina o período de facilidades fiscais.

A partir do Ano Novo, serão anuladas as facilidades fiscais concedidas aos empresários. A Casa Branca terá de reduzir bruscamente as despesas e voltar a elevar o teto da dívida pública, estabelecido pela última vez pelo Congresso ao nível de 16 triliões e 390 bilhões de dólares. Hoje em dia, os EUA dispõem apenas de 150 bilhões de dólares para cumprir os compromissos orçamentais. A tarefa torna-se praticamente inviável, levando em consideração os ritmos de despesas do país.

A economia americana pode perder até 5% do PIB e mais várias centenas de milhares de pessoas ficarão sem emprego. A crise nos Estados Unidos pode voltar a prejudicar seriamente a economia mundial, considera o economista Pavel Medvedev:
“Se as possibilidades financeiras dos Estados Unidos diminuírem, o país irá comprar menos. Tal significa que a China, Japão e Europa terão menos encomendas. Em resultado, diminuirá o número de postos de trabalho. Será uma espécie de cadeia de desgraças”.

Em toda a história, a América nunca se deparou com o “abismo fiscal”. Portanto, devem ser tomadas medidas sem precedentes para estabilizar a economia. Neste contexto, os ministros das Finanças do G20 apelam a que as autoridades dos Estados Unidos tomem uma decisão o mais depressa possível, como foi declarado ainda na cúpula no México. Ao mesmo tempo, o presidente do país terá o principal papel na solução deste problema, afirma o diretor do Departamento de Análise Estratégica da empresa de consultoria FBK, Igor Nikolaev:

“Se vencer Obama, o teto da dívida pública será elevado e o país escapará ao abismo fiscal. Mas tal não significa que este fenómeno não acontecerá no futuro. Mas tal é possível, se vencer Romney. A meu ver, o ´abismo fiscal´ deverá ser controlado, isto é, passar realmente para um programa de poupança de meios orçamentais e ver o que acontece com as facilidades fiscais”.

Seja como for, o Congresso terá a última palavra. O futuro da economia dos Estados Unidos dependerá da sua operacionalidade. Mas se Washington não conseguir superar as divergências políticas internas, o país poderá se deparar com uma segunda Grande Depressão.

Os peritos coincidem na opinião de que, se a Casa Branca permitir o “abismo fiscal”, a América poderá perder o estatuto de principal economia do mundo já a partir do próximo ano. As agências financeiras americanas comentam entre si a possibilidade de rever o rating soberano do país. Os investidores voltarão a procurar mercados mais estáveis para seus capitais. É evidente que a China e a Europa, levando em conta sua dependência da economia dos Estados Unidos, não ocuparão as primeiras posições nesta lista.
É provável que, nestas condições, Moscou se possa tornar um novo centro financeiro internacional.



Fonte: Voz da Rússia

Imagem: Google

Um comentário:

Aldo Luiz disse...

E o Obama disse que; "O melhor ainda está por vir."

Sinto muito, souu grato.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...