Minha lista de blogs

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Eva Golinger: Chávez



A primeira vez que conheci Hugo Chávez foi na ONU, em Nova York, em janeiro de 2003. Perguntou meu nome, como se estivéssemos conversando como grandes amigos minutos após conhecer-nos.

Por Eva Golinger, em Adital

Quando lhe respondi "Eva”, me disse "sabes que meu irmão se chama Adão?”, e continuou: "Minha mãe queria que eu fosse mulher para me chamar de Eva; mas, ‘saí eu’!” Riu com aquele seu modo de rir, tão sincero e puro que sempre contagia a todos os que o escutam. ‘Saiu ele’. Chávez subestimava-se.

Saiu um homem maior do que a vida, com um imenso coração cheio de povo, pulsando pátria. Saiu um ser humano com uma enorme capacidade de persistir e manter-se de pé frente aos mais poderosos obstáculos.

Hugo Chávez sonhou o impossível e o conseguiu. Assumiu a responsabilidade das grandes e difíceis tarefas que estavam pendentes desde a época da independência. O que Simón Bolívar não podia alcançar devido às forças adversas, Chávez cumpriu e tornou realidade. A Revolução Bolivariana, a recuperação da dignidade venezuelana; a justiça social; a visibilidade e o poder do povo; a integração latino-americana; a soberania nacional e regional; a verdadeira independência; a realização do sonho da Pátria Grande e muito mais. Todos esses são conquistas de Chávez, aquele homem que ‘saiu assim’...

Há milhões de pessoas ao redor do mundo que veem em Hugo Chávez uma extraordinária inspiração. Chávez levanta a voz sem tremer ante os mais poderosos; diz as verdades –o que os outros temem dizer-; nunca se ajoelha diante de ninguém; anda firme com dignidade, a cabeça erguida, sempre com o povo como horizonte e a visão e sonho da pátria próspera, justa e feliz. Chávez nos presenteou com uma fortaleza coletiva para combater as desigualdades, as injustiças; para construir pátria e para crer que um mundo melhor não é só um sonho; é algo realizável.

Chávez, um homem que poderia andar com os mais ricos e poderosos do mundo, prefere estar com os mais necessitados, sentindo as dores, abraçando-os e buscando como melhorar suas vidas.

Recordo um conto que ele narrou uma vez, ou várias vezes, como costuma fazer. Andava em sua caravana por uns desses caminhos largos e planos que parecem levar ao infinito. De repente, apareceu um cachorro à margem da estrada, caminhando coxo, com uma pata ferida. Chávez deu ordem para parar a caravana e saiu para recolher o cachorro. O abraçou e disse que deviam levá-lo a um veterinário. "Como podemos deixá-lo aqui, solto e ferido?”, perguntou. "É um ser; é uma vida; temos que cuidá-lo”, disse, demonstrando sua sensibilidade. "Como podemos dizer que somos socialistas se a vida dos demais não nos importa? Temos que amar e cuidar a todos, incluindo aos animais, que são uns inocentes”.

Quando narrou esse conto, me fez chorar. Chorei porque amo os animais e são tão maltratados por tantos... Foi necessário que alguém como Chávez fizesse esse tipo de declaração para despertar consciências sobre a necessidade de cuidar aos que coabitam conosco nesse planeta. Porém, também chorei porque naquele momento Chávez confirmou algo que eu já sabia; que eu sentia; porém, que, às vezes, colocamos em dúvida. Ele confirmou que, no fundo, é um ser simples, sensível e amoroso. Um ser cujo coração dói quando vê um cãozinho ferido. Um ser que não só sente; mas, atua. Assim saiu ele.

Quando Chávez chegou à presidência da Venezuela, o país andava coxo. Ele havia visto suas feridas e sabia que tinha que fazer tudo o que podia para ajudá-la. Levou a Venezuela em seus braços, apertadinha, buscando como melhorá-la. Entregou tudo dele –seu suor, alma, força, energia, inteligência e amor- para convertê-la em dignidade, desenvolvimento, soberania, pátria. Atendeu-a dia e noite; nunca a deixou sozinha. Encontrou sua beleza, sua fortaleza, seu potencial e sua grandeza. Ajudou-a a crescer, forte, linda, visível e feliz. Impulsionou seu renascimento e encheu seu pulso de força e paixão, de poder popular e povo digno.

Chávez entregou tudo de si sem pedir nada em troca. Hoje, a Venezuela cresce e floresce, graças a sua entrega; graças à sua dedicação; graças ao seu amor.

Ainda bem que ‘saiu assim’: Chávez!



Fonte: Vermelho

Imagem: Google


--------------------------------------



Setembro/2012

Un perro irrumpió en la rueda de prensa que realiza el presidente Hugo Chávez, generando una reflexión del Mandatario.

“Bienvenido caballero. Qué elegante ¿No? Ese perro es de la Cancillería, es de Nicolás. Bueno, aquí hay de todo”, dijo Chávez causando la risa de los presentes. Más adelante, Chávez preguntó quién es el mejor amigo del hombre, y recibió como respuesta “el hombre”.

“Yo no lo creo. El hombre no es el mejor amigo del hombre, a mi parecer (…). Hay un debate de siglos ¿Es el hombre el hijo del hombre o el lobo del hombre? Quién se impondrá al final ¿El hombre o el lobo del hombre? Esa es la batalla”, reflexionó.




4 comentários:

Octopus disse...

Burgos,

Obrigado, pelo post, eu que sou que sou um defensor de Chavez

BURGOS disse...

Octopus

Eu também meu amigo, estou triste pelo Hugo Chávez.

Um grande abraço emu amigo

Aldo Luiz disse...

Vos amo, sou grato.

BURGOS disse...

Aldo

Eu é que sou grato a você!

Um grande abraço meu amigo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...