Minha lista de blogs

quinta-feira, 20 de março de 2014

APÓS SANÇÕES, PUTIN DEVE REFORÇAR ALIANÇA COM BRICS





Enquanto Estados Unidos e Europa anunciam sanções à Rússia, governo de Vladimir Putin indica que irá reforçar alianças com outros países; "Se um parceiro econômico de um lado do globo impuser sanções, vamos prestar atenção aos novos parceiros do outro lado. O mundo não é unipolar, vamos nos concentrar em outros parceiros econômicos", frisou Dimitry Peskov, porta-voz do Kremlin; em julho, logo após a Copa do Mundo, Brasil sediará encontro dos BRICs e a presidente Dilma determinou ao Itamaraty que se mantenha neutro na questão da Crimeia; postura de Obama não assusta a Rússia


As relações entre Brasil e Rússia, apesar de esquentarem de vez em quando, equivalem a uma tarde de inverno em Moscou: são geladas. O que mais acontece entre os dois países são problemas em torno de questões sanitárias à volta da carne brasileira – em primeiro lugar na pauta de exportações para o país – e ensaios nunca praticados inteiramente de cooperação militar e aeroespacial.

Uma nova chance para um relacionamento comercial e político mais amplo e estreito, respectivamente, está aberta com a crise entre a Rússia e os Estados Unidos e a União Europeia em torno da anexação da Crimeia.

O secretário de Imprensa do presidente Vladmir Putin respondeu nesta quarta-feira 19 em Moscou sobre como o país irá reagir a maiores sanções econômicas e políticas do bloco ocidental.

O mundo unipolar acabou, foi o recado principal.

"Se um parceiro econômico de um lado do globo impuser sanções, vamos prestar atenção aos novos parceiros do outro lado. O mundo não é unipolar, vamos nos concentrar em outros parceiros econômicos", frisou Dimitry Peskov.

As sanções que começam a tomar corpo – no campo político, o primeiro-ministro Tony Blair anunciou que irá pedir a exclusão da Rússia do G-8 – serão respondidas em igual medida pelo governo de Putin, que vai galgando popularidade interna com a anexação da Crimeia.

"Nós queremos manter boas relações com a UE e com os EUA. Especialmente com a União Europeia, uma vez que é o principal parceiro comercial da Federação Russa. Mas nossa dependência econômica mútua pressupõe teremos boas relações", completou Peskov, deixando implícita a lembrança do gás natural que a Rússia fornece para o aquecimento de milhões de lares europeus.

Em conversa telefônica terça-feira entre o ministro russo para Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, eles discutiram a situação na Ucrânia e Lavrov disse que as sanções impostas pelos os EUA são "absolutamente inaceitáveis".

A presidente Dilma Rousseff comanda o silêncio do Itamaraty sobre a crise atenta aos benefícios que o país pode extrair. Como ficou claro no recado de Putin por meio de seu porta-voz, a Rússia pode empreender uma grande mudança de foco em seus negócios.


Um estreitamento de relações com os demais BRICs seria o primeiro grande passo. Em julho, dois dias após a Copa do Mundo, o presidente russo estará em Fortaleza para a reunião dos países que fazem parte da sigla. A falta de comentários do Brasil sobre a anexação da Crimeia são quase um elogio.




Fonte: 247
Imagens: Google (colocadas por este blog)

Um comentário:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Esta vai para um "guerra" no facebook

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...