Minha lista de blogs

sábado, 23 de junho de 2012

O que os Estados Unidos podem ganhar com o golpe no Paraguai




por Luiz Carlos Azenha

A reação de Washington ao golpe “democrático”  no Paraguai será, como sempre, ambígua. Descartada a hipótese de que os estadunidenses agiram para fomentar o golpe — o que, em se tratando de América Latina, nunca pode ser descartado –, o Departamento de Estado vai nadar com a corrente, esperando com isso obter favores do atual governo de fato.

Não é pouco o que Washington pode obter: um parceiro dentro do Mercosul, o bloco econômico que se fortaleceu com o enterro da ALCA — a Área de Livre Comércio das Américas, de inspiração neoliberal. O Paraguai é o responsável pelo congelamento do ingresso da Venezuela no Mercosul, ingresso que não interessa a Washington e que interessa ao Brasil, especialmente aos estados brasileiros que têm aprofundado o comércio com os venezuelanos, no Norte e no Nordeste.


Hugo Chávez controla as maiores reservas mundiais de petróleo, maiores inclusive que as da Arábia Saudita. O petróleo pesado da faixa do Orinoco, cuja exploração antes era economicamente inviável, passa a valer a pena com o desenvolvimento de novas tecnologias e a crescente escassez de outras fontes. É uma das maiores reservas remanescentes, capaz de dar sobrevida ao mundo tocado a combustíveis fósseis.



Washington também pode obter condições mais favoráveis para a expansão do agronegócio no Chaco, o grande vazio do Paraguai. Uma das preocupações das empresas que atuam no agronegócio — da Monsanto à Cargill, da Bunge à Basf — é a famosa “segurança jurídica”. Ou seja, elas querem a garantia de que seus investimentos não correm risco. É óbvio que Fernando Lugo, a esquerda e os sem terra do Paraguai oferecem risco a essa associação entre o agronegócio e o capital internacional, num momento em que ela se aprofunda.

Não é por acaso que os ruralistas brasileiros, atuando no Congresso, pretendem facilitar a compra de terra por estrangeiros no Brasil. Numa recente visita ao Pará, testemunhei a estreita relação entre uma ONG estadunidense e os latifundiários locais, com o objetivo de eliminar o passivo ambiental dos proprietários de terras e, presumo,  facilitar futura associação com o capital externo.

Finalmente — e não menos importante –, o Paraguai tem uma base militar “dormente”  em Mariscal Estigarribia, no Chaco. Estive lá fazendo uma reportagem para a CartaCapital, em 2008.  É um imenso aeroporto, construído pelo ditador Alfredo Stroessner, que à moda dos militares brasileiros queria ocupar o vazio geográfico do país. O Chaco paraguaio, para quem não sabe, foi conquistado em guerra contra a Bolívia. Há imensas porções de terra no Chaco prontas para serem incorporadas à produção de commodities.

Mais extensa que a pista de Asunción, a inoperante via cimentada do Aeroporto José María Argaña, de Mariscal Estigarribia, é maior do que a própria cidade ao seu redor.
Cabeceira da pista 11, com o minúsculo hangar situado à esquerda. Sem vôos comerciais ou militares, apenas aeronaves particulares desembarcam no local.
Danificado pela passagem do tempo, radar do aeroporto é apenas uma ruína em meio à vegetação chaqueña que cresce ao seu redor.
O aeroporto tem uma gigantesca pista de pouso de concreto, bem no coração da América Latina. Com a desmobilização da base estadunidense em Manta, no Equador, o aeroporto cairia como uma luva como base dos Estados Unidos. Não mais no sentido tradicional de base, com a custosa — política e economicamente custosa — presença de soldados e aviões. Mas como ponto de apoio e reabastecimento para o deslocamento das forças especiais, o que faz parte da nova estratégia do Pentágono. O renascimento da Quarta Frota, responsável pelo Atlântico Sul, veio no mesmo pacote estratégico.

É o neocolonialismo, agora faminto pelo controle direto ou indireto das riquezas do século 21: petróleo, terras, água doce, biodiversidade.

Um Paraguai alinhado a Washington, portanto, traz grandes vantagens potenciais a interesses políticos, econômicos, diplomáticos e militares estadunidenses.





Fonte: Vio o Mundo
Imagem: Google

Um comentário:

Tibiriçá disse...

Burgos, além dos americanos terem por via indireta escancarado a porta da frente do Paraguai com uma manobra "legal" do impedimento de Fernando Lugo fica demonstrado claramente que sempre é possível com uma uma "conspiraçãozinha" fazer qualquer coisa, e fica de exemplo para os demais vizinhos da América Latina. Tivemos aqui também a nossa experiência de impedimento no caso do presidente Fernando Collor que foi primeiramente removido pela "mídia comum" depois democraticamente pelo congresso nacional. Não sei se ajuda muito mas de Fernando em Fernando o único que não foi removido foi Fernando Henrique, pois supostamente este era (e é) simpatizante da causa norte-americana. Quanto a quem ganha com isso, não é nem preciso responder, basta seguir o fluxo do dinheiro.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...