Minha lista de blogs

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Equador propõe democratização do sistema de Nações Unidas

O governo do Equador realiza contatos com diferentes países para fortalecer uma proposta de democratizar o sistema da Organização das Nações Unidas (ONU), e convoca uma integração da região para mudar essa relação de poder

Assim o enfatizou o presidente equatoriano, Rafael Correa, ao dizer aos jornalistas estrangeiros credenciados aqui que o Conselho de Segurança da ONU é um poder absolutamente antidemocrático.

Nesse órgão, afirmou, têm poder de veto uns quantos países que descaradamente se nomearam os policiais e árbitros do mundo.

Estamos levantando propostas sobre isto, disse, mas sabemos que sozinhos não vamos a lugar algum. Trata-se, enfatizou, de unir esforços entre muitos países que buscam mudar esse sistema tão antidemocrático.

Criticou igualmente o sistema interamericano da Organização de Estados Americanos (OEA), da qual destacou a contradição de que sua sede esteja em Washington, quando os Estados Unidos não reconhecem a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Correa manifestou seu desejo de que a próxima Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC), que será constituída na Venezuela nestes 2 e 3 de dezembro, substitua a Organização de Estados Americanos (OEA).

Reafirmou a vontade do Equador de desenvolver a CELAC como um fórum para a resolução de conflitos regionais, que substitua a OEA, por sua clara inclinação a favor dos países hegemônicos.

Estamos trabalhando pela integração, acrescentou, porque estamos conscientes de que só como bloco teremos mais importância no cenário mundial para impedir que nos submetam não apenas os países hegemônicos, senão capitais hegemônicas.

Se a América Latina continua desunida, advertiu, e o investimento estrangeiro compete nos países da região, exonerando impostos ou baixando os salários reais, o que faremos é dar a pouca riqueza de nossos países em benefício do grande capital.

E a melhor maneira de enfrentar isso é com a ação coletiva regional, onde nossa política internacional se caracteriza pela soberania, a dignidade, e por buscar uma ordem planetário mais humano, mais justo, e mudar as relações de poder.

A América Latina tem tido tudo para ser o continente mais próspero do planeta e, na média, ainda que não é o mais pobre, temos pobres mais pobres que nos países desenvolvidos e ricos mais ricos que nesses países industrializados, afirmou o presidente.

A América Latina se caracterizou pela desigualdade e por sistemas excludentes, e isso reflete a relação de poderes, disse ao se referir aos poderes de fato que independentemente de que não ganhassem as eleições continuavam governando".

Disse que estes setores eram econômicos, sociais, noticiários, religiosos, e isso é o que está mudando, afirmou.



Fonte: Pátria Latina

Imagem: Google

4 comentários:

Anônimo disse...

Burgos,

Rafael Correa faz uma crítica a hipocrisia norteamericana e sua forma de democracia. Também à forma como foi constituído o conselho de segurança. Um país que vive apregoando que o voto de cada cidadão tem o mesmo peso, na hora da verdade a coisa muda de figura. Os paladinos da democracia e seus libelos democráticos, entre elas as operações Condor e Gladio. A carnificina no Estádio Nacional do Chile faz parte da proposta democrática yankee.

Um abraço meu amigo.
Walner.

voz a 0 db disse...

sniff sniff.... sniff sniif... cheira-me a invasão!!! ou no mínimo a golpe CIA... abre a pestana Rafael! A mandar farpas destas, qualquer dia quando deres conta acordas para veres que estás morto!

BURGOS disse...

Walner

Tu tem razão se o Rafael continuar assim, qualquer hora vão fazer no Equador a mesma coisa que fizeram no Chile.


Um abraço

BURGOS disse...

Voz

Tu me mata de tanto rir, mas é verdade o que tu diz, hehehehe.
Coitado do Rafael, quer democratizar a ONU, só dando risada da ingenuidade dele.

Abraços

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...